Encontro com o escritor Mia Couto

Literatura em sua diversidade 34ª Feira do Livro do Colégio Miguel de Cervantes

Por: Tatiana Maria de Paula Silva | 22 de junho de 2017.

O renomado escritor moçambicano Antônio Emílio Leite Couto, conhecido pelo pseudônimo de Mia Couto, esteve no dia 20 de junho no Colégio Miguel de Cervantes para um encontro, pós Feira do Livro, com os alunos do 9º ano do Ensino Fundamental e os alunos do Ensino Médio. O propósito do evento foi que o autor falasse dos livros Terra sonâmbula, Estórias abensonhadas e Todo homem é uma raça.

O autor começou a palestra falando de seu percurso pessoal e da obra Terra sonâmbula. Segundo Mia Couto, esse romance foi o único em que ele sofreu para escrever por retratar o período da guerra civil. Assim como muitos, ele perdeu amigos e pessoas queridas na guerra. “Eu era empurrado por essas vozes, essas memórias, a escrever. A minha resposta para a guerra era escrever”, relata Mia.

Durante o bate-papo, o escritor respondeu às perguntas dos alunos e dos professores, além de falar sobre sua infância e de como parte de sua história está presente em suas obras. Mia contou ainda que a reflexão proveniente de seus livros não é intencional. “Não acho que seja uma missão à qual me proponho. Escrevo para contar uma história. Não é que eu queira propor alguma questão. Claro que a minha ideia do mundo e da sociedade está presente na escrita, mas isso acontece naturalmente, e não quero usar a literatura para isso”, reforça Mia.

Sobre a trajetória da literatura africana, o escritor destacou a importância da literatura brasileira: “Jorge Amado é o grande nome que inspirou escritores da Angola e Moçambique, porque falava sobre temas muito próximos às pessoas desses lugares”.

Sobre o papel das mulheres em suas obras, Mia Couto relata que sua formação como escritor está muito relacionada à presença feminina em sua vida. “Aprendi a ser escritor na cozinha com as mulheres, com a minha mãe e as vizinhas. Eu poderia estar no escritório com meu pai e os amigos que só falavam de futebol, política e coisas sérias, mas preferia ficar ali na cozinha, onde me encantava com as conversas”.

Couto foi recebido pelos alunos do 9º ano no teatro do colégio com uma belíssima apresentação preparada pelos professores do Departamento de Música e de Arte. Os alunos interpretaram as canções Nkosi sikele”iAfrica  (Hino da África do Sul), Cangoma, Sansa KromaOjuobá,  esta do cantor e compositor brasileiro Caetano Veloso.

A professora de Língua Portuguesa e Produção de Texto do 9º ano do Ensino Fundamental, Simone Seifert, e os professores de Estudos Linguísticos e Literários do Ensino Médio, João Jonas Veiga Sobral e Fábio Brazolin Abdulmassih, estiveram ao lado do autor mediando o encontro. Na abertura do encontro, o aluno do Ensino Médio João Pedro Guerreiro Pimentel apresentou a biografia do autor para o público.