Grupo de Risco

Grupo de Risco em Adultos

• Maiores ou igual a 60 anos.
• Portadores de doenças de pulmão crônicas com função pulmonar comprometida como doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), asma moderada / grave não controlada (necessidade de corticoides recente), fibrose, displasia, sequela de tuberculose prévia, bronquiectasia entre outras com comprometimento da função pulmonar;

• Portadores de doenças cardíacas graves ou descompensadas: infarto, doença arterial coronária, insuficiência cardíaca, cardiomiopatia congênita não corrigida com disfunção, hipertensão pulmonar, arritmias entre outras;

• Portadores de diabetes mellitus tipo 1 e tipo 2;

• Portadores de doença renal crônica;

• Imunodeprimidos: com algum câncer ativo e em tratamento, transplantados de órgãos sólidos, HIV positivas, síndrome de Down (com imunodeficiência documentada), imunodeficiência congênita, uso de corticoides (dose superior a 20 mg/dia de prednisona ou equivalente por tempo superior a 14 dias ou pulso terapia com metilprednisolona no último mês), uso de imunossupressores por tempo prolongados entre outros;

• Portadores de doenças do sangue como anemia falciforme, talassemia, leucemia entre outras;

• Portadores de doenças neurológicas que acometem a função pulmonar como epilepsia não controlada, demência,
paralisia cerebral, derrame cerebral, lesão medular e doenças neuromusculares;

• Portadores de doenças metabólicas hereditárias/cromossomais com comprometimento de função de pelo menos
um órgão;

• Obesos IMC > 35 Kg/m2;

• Portadores de cirrose ou insuficiência hepática;

• Grávidas.

IMPORTANTE: Portadores de outras comorbidades que não se enquadram nessa lista podem apresentar potencial para doença grave, mas a evidência ainda é limitada. Por exemplo: hipertensão arterial sistêmica não controlada e doenças autoimunes que não se enquadram na lista de imunodeprimidos. Recomenda-se avaliar, de forma individualizada, com o jurídico/medicina do trabalho ou médico do colaborador os riscos-benefícios de retorno ao trabalho.

Grupo de Risco em Crianças

• Portadores de doenças de pulmão crônicas com função pulmonar comprometida como fibrose cística, displasia, bronquiectasia, tuberculose em atividade entre outras;

• Portadores de doenças cardíacas congênitas não corrigidas ou insuficiência cardíaca;

• Portadores de outras malformações congênitas com comprometimento de função de pelo menos um órgão;

• Portadores de diabetes mellitus;

• Portadores de doença renal crônica;

• Portadores doenças do sangue como anemia falciforme, talassemia, leucemia entre outras;

• Portadores de doenças metabólicas hereditárias/cromossomiais com comprometimento de função de pelo menos um órgão;

• Imunodeprimidos: com algum câncer ativo em tratamento, transplantados de órgãos sólidos, transplante de medula óssea, HIV positivas, síndrome de Down (com imunodeficiência documentada), imunodeficiência congênita, uso de corticoides (dose superior a 2 mg/kg/dia de prednisona ou equivalente por tempo superior a 14 dias ou pulso terapia com metilprednisolona no último mês), uso de imunossupressores por tempo prolongado entre outros;

• Portadores de doenças neurológicas que acometem a função pulmonar como epilepsia não controlada, paralisia cerebral, lesão medular e doenças neuromusculares;

• Obesos com IMC > 35 Kg/m2; , deve-se avaliar de forma individualizada com o médico do aluno o retorno às aulas presenciais;

• Portadores de cirrose ou insuficiência hepática.

• Portadores de asma, deve-se avaliar de forma individualizada com o médico do aluno o retorno às aulas presenciais;

IMPORTANTE: Portadores de outras comorbidades que não se enquadram nessa lista podem apresentar potencial para doença grave, mas a evidência ainda é limitada. Por exemplo: portadores de asma moderada/grave (necessidade de cortióides recente), hipertensão arterial sistêmica não controlada e doenças autoimunes que não se enquadram na lista de imunodeprimidos. Recomenda-se avaliar, de forma individualizada, com os pais/responsáveis e médico do aluno os riscos-benefícios de retorno às aulas presenciais. Sempre assegurar o processo pedagógico desses alunos.

As informações sobre os grupos de riscos são dinâmicas e podem ser atualizados de acordo com surgimento de
novas evidências da literatura e documentos nacionais

Lembrando que nesse modelo, o Colégio Miguel de Cervantes garantirá a continuidade do processo pedagógico
para todos os alunos que não retornarem às atividades escolares presenciais.

Os grupos B e C serão monitorados por uma central de monitoramento criada pelo colégio para acompanhar e orientar todos os casos suspeitos e confirmados da COVID-19.

Perfis para retorno às aulas com segurança
A comunidade da escola será dividida em quatro grupos distintos e bem delimitados, sendo esses grupos:

Grupo A: grupo dos alunos ou colaboradores pertencentes ao grupo de risco. Esses alunos/colaboradores são aqueles que têm maior risco de adoecer com maior gravidade se forem contaminados pelo vírus SARS-CoV-2;

Grupo B: grupo de alunos ou colaboradores sintomáticos, que apresentam algum sintoma relacionado à doença COVID-19, podendo portanto ser um transmissor do vírus;

Grupo C: grupo de alunos ou colaboradores assintomáticos, que entraram em contato próximo recente1 com alguém comprovadamente transmissor da doença COVID-19 2 ou está convivendo com um familiar com sintomas da COVID-19;

1 Contato próximo recente: contato cara a cara (até 2 metros) por no mínimo 15 minutos com pessoa com COVID-19 confirmado ou com os sintomas acima, dentro da mesma área fechada com ou sem uso de máscara ou compartilhou o mesmo ambiente por 2 horas.

Contato próximo pode incluir: cuidar, morar, visitar ou compartilhar uma área ou, ainda, nos casos de contato direto com secreções.

Recente seria nos últimos 14 dias.

2 Doença COVID-19 confirmado: swab nasal/oral positivo

Checklist
Para mantermos a segurança de todos, disponibilizaremos uma checklist diária, que deverá ser preenchida por alunos e colaboradores que irão ao Colégio no dia. As informações registradas na checklist são de caráter confidencial e serão acompanhadas pela central de monitoramento.

A central de monitoramento, formada por profissionais da saúde e uma equipe multidisciplinar, fará o acompanhamento dos casos de sintomas enviados pela checklist, dos casos confirmados que ficaram afastados e dos casos de suspeita no ambiente escolar.

A central será responsável por acompanhar o fluxo de suspeita de Covid até a sua confirmação ou descarte, garantindo as recomendações do tempo de afastamento e o fluxo de informação entre os setores da comunidade.

Além disso, a central será a responsável por esclarecer dúvidas e monitorar com indicadores o nível de segurança dentro do colégio toda a comunidade.

Grupo D: grupo de alunos ou colaboradores aptos ao retorno às aulas / atividades presenciais. São os que não se classificam em nenhum dos outros três grupos acima, ou seja, não são do grupo de risco, não apresentam sintomas da COVID-19 e não estão convivendo nem tiveram contato próximo recente com alguém comprovadamente ou com sintomas da COVID-19.